BNCC e as habilidades socioemocionais fundamentais para a vida

Como sabemos, a BNCC é um documento que norteia os educadores nas práticas pedagógicas no ambiente escolar. Mais do que conteúdos de disciplinas, a Base Nacional Comum Curricular traz habilidades e competências importantes de serem trabalhadas ao longo do desenvolvimento humano dos alunos.

Pensando nisso, a BNCC estipula que durante a Educação Básica os educadores implementem em suas aulas práticas que ajudem os estudantes no desenvolvimento de cinco habilidades socioemocionais. Sendo elas:

  • Autoconsciência;
  • Autogerenciamento;
  • Tomada de decisão responsável;
  • Consciência social;
  • Habilidades de relacionamento.

Embora as competências socioemocionais que formam as habilidades sociais e emocionais estejam todas interligadas, elas podem ser trabalhadas de várias maneiras.

Por isso, hoje vamos nos concentrar em entender como trabalhar três delas. Não por serem mais importantes, mas por, na maioria das vezes, servirem de base para o desenvolvimento das demais.

Habilidades socioemocionais na BNCC: Autoconsciência, autogestão e habilidades de relacionamento

Cada uma dessas competências foca em habilidades vitais para a aprendizagem socioemocional e pode ser trabalhada por meio de uma variedade de métodos.

Autoconsciência

A autoconsciência é a capacidade que o estudante precisa adquirir de considerar e entender suas próprias emoções, pensamentos, valores e experiências, Ao fazer isso, o próximo passo é entender como esses elementos influenciam suas ações.

Quando o aluno melhora sua autoconsciência, ele passa a:

  • Identificar com mais eficácia seus pontos fortes e fracos individuais em várias áreas;
  • Amplia sua capacidade de tomada de decisão e autogestão (duas outras competências essenciais).
  • Passa a reconhecer como seus pensamentos e sentimentos afetam seu comportamento e aprende a não ser tão influenciável por eles.
  • Consciente de como pensamentos e emoções interferem em vários aspectos de sua vida, passa a conseguir fazer mudanças positivas em sua vida e a adotar a perspectiva que o guiará com mais facilidade ao que deseja.
  • Refinar sua capacidade de tomar decisões, passa a ter mais consciência de seus reais interesses e controle de suas ações.

Dentro das cinco competências essenciais, a autoconsciência é essencial, pois não apenas fomenta o otimismo e a tomada de decisão responsável, mas também fornece uma base para estabelecer e manter relacionamentos saudáveis com os outros.

Para trabalhar essa competência no aluno, é fundamental ensiná-lo a ser honesto consigo mesmo. Isso pode ser estimulado a partir da ideia de que você se sente bem consigo mesmo quando faz ações positivas, mas tais ações positivas precisam vir de um local de clareza, que só será possível quando o indivíduo entender o que, de fato, quer e acredita e o que em seus comportamentos e decisões são apenas frutos de pensamentos e emoções que ainda lhe estão um pouco nebulosos.

Isso é levado a um nível consciente e prático através de um Círculo Pensamentos-Ações-Sentimentos sobre o Eu. Aqui é importante que o educador estimule o jovem a descreve como os pensamentos levam a ações e as ações a sentimentos sobre si mesmo e depois de volta aos pensamentos.

É assim, ensinando os alunos a reconhecer e serem honestos consigo mesmos que eles enfim poderão avaliar com precisão seus pontos fortes e limitações.

Autogestão

A competência central de autogestão vem muito dessa primeira competência socioemocional citada anteriormente, a autoconsciência.

Não há como fazer uma eficiente autogestão sem antes o indivíduo ser capaz de regular e controlar suas emoções, pensamentos e comportamentos.

É somente após identificar seus pontos fortes e fracos é que o aluno consegue perceber como adquirir habilidades de autogestão, como:

  • Gerenciar estresse;
  • Quais habilidades organizacionais precisa desenvolver;
  • Descobrir como adquirir e manter a capacidade de estabelecer metas;
  • Controlar seus impulsos;
  • Praticar a autodisciplina.

Todas essas habilidades de autogestão estão intrinsecamente ligadas à autoconsciência. Não há autogestão sem ela.

Além de levar a uma tomada de decisão – outra competência socioemocional – mais responsável e a uma maior conscientização sobre as preocupações com a segurança, melhorar seu autogerenciamento vai:

Melhorar o desempenho acadêmico do aluno já que a partir da autogestão adquirida a partir das competências de autoconsciência, o estudante passa a ter maior capacidade de definir e trabalhar em direção a metas e sua capacidade de controlar o comportamento emocional.

Há muitas maneiras de estimular a autogestão no ensino. Mas, uma das mais eficientes envolve a auto-reflexão e uma avaliação realista de si mesmo para que você possa tomar outras ações.

Perceba aqui novamente a ligação entre Autoconsciência e Autogestão. Enquanto o princípio básico para adquirir a primeira envolve a honestidade consigo mesmo, a

Autogestão vem do controle dos impulsos – algo que só é possível quando antes o aluno faz uma leitura crua de si.

Aqui o círculo a ser trabalhado não é mais Pensamentos-Ações-Sentimentos sobre o Eu, como ocorre na Autoconsciência.

Nessa fase vamos para o Círculo Pensamentos-Ações-Sentimentos. O foco não é pensar sobre o Eu mas agir. Não há nada mais poderoso, engajado e bom para a

autoestima do que agir e ter resultados positivos dessas ações.

O ponto central que o professor deve ter em mente aqui é quanto mais o indivíduo se sente bem consigo mesmo quando faz ações positivas que geram resultados, mais ele quer se sentir bem, então repete a ação. Logo a Autogestão se torna cada vez mais poderosa e direcionada para bons resultados.

Para trabalhar a Autogestão é importante ainda ensinar aos estudantes que existem recursos pessoais que todos nós temos para conseguir lidar com pensamentos e sentimentos (raiva, medo, preocupação, ciúme, solidão, ansiedade e outros).

Lembre-se que na Autoconsciência, o aluno aprende a identificar. Já na Autogestão, ele precisa agir. Isso o ajuda a lidar com o controle de impulsos. E, sabemos que a

melhoria na autogestão e, consequentemente, do controle desses impulsos é um elo fundamental para o sucesso acadêmico e socioemocional.

Os alunos também precisam aprender nessa habilidade de Autogestão que essa habilidade também envolve o gerenciamento de recursos que ele possui em sua vida, como:

  • Gerenciar estresse;
  • Quais habilidades organizacionais precisa desenvolver;
  • Descobrir como adquirir e manter a capacidade de estabelecer metas;
  • Controlar seus impulsos;
  • Praticar a autodisciplina.

Todas essas habilidades de autogestão estão intrinsecamente ligadas à autoconsciência. Não há autogestão sem ela.

Além de levar a uma tomada de decisão – outra competência socioemocional – mais responsável e a uma maior conscientização sobre as preocupações com a segurança, melhorar seu autogerenciamento vai:

Melhorar o desempenho acadêmico do aluno já que a partir da autogestão adquirida a partir das competências de autoconsciência, o estudante passa a ter maior capacidade de definir e trabalhar em direção a metas e sua capacidade de controlar o comportamento emocional.

Há muitas maneiras de estimular a autogestão no ensino. Mas, uma das mais eficientes envolve a auto-reflexão e uma avaliação realista de si mesmo para que você possa tomar outras ações.

Perceba aqui novamente a ligação entre Autoconsciência e Autogestão. Enquanto o princípio básico para adquirir a primeira envolve a honestidade consigo mesmo, a Autogestão vem do controle dos impulsos – algo que só é possível quando antes o aluno faz uma leitura crua de si.

Aqui o círculo a ser trabalhado não é mais Pensamentos-Ações-Sentimentos sobre o Eu, como ocorre na Autoconsciência.

Nessa fase vamos para o Círculo Pensamentos-Ações-Sentimentos. O foco não é pensar sobre o Eu mas agir. Não há nada mais poderoso, engajado e bom para a autoestima do que agir e ter resultados positivos dessas ações.

O ponto central que o professor deve ter em mente aqui é quanto mais o indivíduo se sente bem consigo mesmo quando faz ações positivas que geram resultados, mais ele quer se sentir bem, então repete a ação. Logo a Autogestão se torna cada vez mais poderosa e direcionada para bons resultados.

Para trabalhar a Autogestão é importante ainda ensinar aos estudantes que existem recursos pessoais que todos nós temos para conseguir lidar com pensamentos e sentimentos (raiva, medo, preocupação, ciúme, solidão, ansiedade e outros).

Lembre-se que na Autoconsciência, o aluno aprende a identificar. Já na Autogestão, ele precisa agir. Isso o ajuda a lidar com o controle de impulsos. E, sabemos que a

melhoria na autogestão e, consequentemente, do controle desses impulsos é um elo fundamental para o sucesso acadêmico e socioemocional.

Os alunos também precisam aprender nessa habilidade de Autogestão que essa habilidade também envolve o gerenciamento de recursos que ele possui em sua vida, como:

  • Tempo;
  • Energia;
  • Dinheiro;
  • Posses;
  • Talentos.

Associar os conhecimentos sobre si mesmo que agora já estão claros e não impede mais esse aluno de agir, a capacidade de gerenciar também o que lhe pertence fará com que ele se sinta ainda mais no controle do que acontece na escola e na vida.

Vale ressaltar que para ter maior resultado, o professor deve trabalhar isso em sala de aula a partir de metas de curto e longo prazo. Sempre focando nos objetivos intelectuais (acadêmicos), pessoais e físicos dos alunos.

Quando o professor ensina o indivíduo a estabelecer metas, automaticamente, ele desenvolve também uma visão global do processo que dá a ele uma perspectiva de onde ele está, onde quer chegar e o que fazer para sair do ponto A e chegar no ponto B.

Dessa forma, fica mais fácil de ele acreditar em seu potencial, ter mais coragem para tentar e, ao longo do processo, começa a descobrir por si mesmo como transformar problemas em oportunidades.

Habilidades de relacionamento

 

A competência de habilidades de relacionamento diz respeito à sua capacidade de fazer conexões positivas com os outros, bem como sua capacidade de levar em consideração suas emoções em diferentes situações e interações sociais, a fim de estabelecer e manter relacionamentos saudáveis e mutuamente gratificantes.

Novamente, aqui se faz fundamental que o indivíduo já tenha adquirido a habilidade de Autoconsciência. Pense que apenas alguém que já sabe lidar com seus pensamentos e emoções e entender. como isso influencia seus comportamentos, bem como conhece seus pontos fortes e fracos é realmente capaz de construir bons relacionamentos.

Afinal, construir bons relacionamentos incluem habilidades como:

  • Ouvir bem;
  • Comunicar-se de forma eficaz;
  • Compreender comportamentos sociais apropriados e inadequados;
  • Ter capacidade de se comprometer;
  • Ter capacidade de considerar as emoções, pensamentos e valores dos outros;
  • Conseguir assumir a perspectiva dos outros, exercitando assim a tão importante empatia.

Dentre os principais benefícios de adquirir tal habilidade, podemos destacar:

  • Se sair bem em situações pessoais com familiares e amigos;
  • Construir bons relacionamentos na escola com colegas e professores;
  • Se preparar para manter relações positivas nas áreas profissionais com colegas e chefes.

As habilidades de relacionamento sempre devem partir do princípio de tratar os outros como você gostaria de ser tratado. Percebe a importância de trabalhar antes a Autoconsciência!?

Agora que o indivíduo já se compreende e já sabe como agir a partir de si mesmo, ele está pronto para direcionar o foco está na outra pessoa, em vez dele mesmo, e como tratá-la positivamente. É dessa forma que todos os relacionamentos começam a funcionar melhor.

Benefícios de longo prazo

 

Conheça ainda outros benefícios de trabalhar as habilidades socioemocionais na escola.

Longo prazo o aluno vai:

  • Aumentar a probabilidade de conclusão do ensino médio.
  • Preparação para o ensino superior.
  • Sucesso na carreira.
  • Melhores relações familiares.
  • Relações de trabalho positivas.
  • Melhor saúde mental.
  • Redução de comportamentos perigosos.
  • Cidadania engajada.

Mais do que transmissão de conteúdo, promover habilidades socioemocionais é educar para a vida

A aprendizagem socioemocional ajuda os alunos a reconhecer e regular emoções, apreciar outras perspectivas, desenvolver relacionamentos positivos e tomar decisões responsáveis e cuidadosas.

Capacidade interpessoal, autoconsciência e capacidade de autogestão estão listadas como habilidades de empregabilidade à prova de futuro, de acordo com uma pesquisa recente

Assim, enquanto as habilidades tecnológicas e cognitivas superiores são necessárias à medida que as tecnologias digitais e de IA avançam, as habilidades socioemocionais são exigidas para preparar os alunos de hoje para o local de trabalho de amanhã.